Arquivo da tag: negros

Semana da Memória, Cultura e Resistência: Cotas e as Lutas do Povo Negro [CAHIS]

https://www.facebook.com/events/1516631731900764/

[descrição]

PROGRAMAÇÃO

1) “O Percurso Histórico do Racismo no Brasil e sua
Contemporaneidade” – 25/08, às 19h, na História.
Milton Barbosa (Movimento Negro Unificado)
Silvio Luiz de Almeida (Professor de Direito Mackenzie e Presidente do Instituto
Luiz Gama) – a confirmar
Jupiara Castro (Fundadora do Núcleo de Consciência Negra da USP)
Mediador: Maria José Menezes (NCN)

2) “Negras Articulações: o Combate ao Racismo em suas Diversas
Facetas” – 26/08, às 19h, na História.
Débora Maria da Silva (Mães de Maio) – a confirmar
Bia Sankofa (Comitê contra o Genocídio da População Negra)
Lucas Bento da Silva (Quilombo Cafundó)
Mediador: William Cega (História USP)

3) “Políticas Afirmativas na Universidade Pública”
27/08, às 19h, no Núcleo de Consciência Negra (NCN).
Sueli Carneiro (Dr. em Educação pela USP e diretora do Geledés) – a confirmar
Douglas Belchior (UNEAFRO)
Luiz Carlos dos Santos (Fundador do Núcleo de Consciência Negra da USP)
Mediador: Cristiane Maria de Paula (NCN)

*** NA QUARTA-FEIRA FAREMOS, NO NÚCLEO DE CONSCIÊNCIA NEGRA, UMA OFICINA DE ESTAMPAS DE CAMISETA, COM A ARTE DA SEMANA! Traga a sua camiseta!

4) “Mulheres Negras em suas Múltiplas Agências”
28/08, às 19h, na História.
Djamila Ribeiro (Pós Graduanda em Filosofia/UNIFESP e Blogueiras Negras)
Eloísa Maria Neves Silva (Professora de História e Pesquisadora em atuação
histórica das mulheres negras nas escolas de samba paulistanas)
Cristiane Avelar (Núcleo de Consciência Negra da USP)
Mediador: Marcelo Vitale Teodoro da Silva (NCN)

5) “Culturas Afro-Brasileiras e suas Dinâmicas de Resistência”
29/08, às 16h, na História
Júlio e Patrícia (Movimento Cultural da Penha: Festa do Rosário dos Homens Pretos
da Penha de França)
Mestre Silvio (Congadas de Mogi das Cruzes)
Tula Pilar (Poetisa e Organizadora de Movimentos de Sarau na Zona Sul/SP)
Saloma Salomão (Historiador, Etnólogo Musical e Teatro Negro) – a confirmar
Paulo Dias (Etnomusicólogo e Diretor da Associação Cultural Cachuêra) –
a confirmar

*** NA SEXTA, A PARTIR DAS 18H: SARAU POR COTAS NA USP! (Espaço Aquário)

Para se inscrever, envie um e-mail com nome completo e RG para pethistoriausp@gmail.com
Haverá emissão de certificado.

Panfleto do COMANDO sobre COTAS para a marcha de hoje

[retirado de: http://greveusp2014.wordpress.com/2014/08/22/estudantes-em-greve-exigem-imediata-implementacao-de-cotas-raciais-e-sociais-na-usp-e-realizam-panfletagem-em-ato/ ]

Estudantes em greve exigem imediata implementação de cotas raciais e sociais na USP e realizam panfletagem em ato

Hoje, durante a II Marcha (inter) Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro, estudantes da USP – que estão em greve há 87 dias – participarão levando a pauta da urgente necessidade de implementação de cotas raciais e sociais nas universidades públicas.

Compreendemos que este é um ato fundamental para darmos um basta nas políticas repressivas e racistas do Estado e participaremos enquanto estudantes organizados levando a reivindicação de implementação imediata de COTAS RACIAIS e SOCIAIS na USP em um passo contra a elitização e privatização das Universidades Públicas.

Acesse o panfleto em PDF, leia e ajude a divulgar: panfleto_cotas_pdf

hojE: Negro Drama II + Marcha Contra o Genocídio da População Negra + Churras Open Violência

Negro Drama II – as cotas raciais

https://www.facebook.com/events/871626786181588/ 

10h no SINTUSP

[descrição]

Debate sobre as políticas de Cotas Raciais

“Eu sou irmão dos meus trutas de batalha, eu era a carne…agora sou a própria navalha” (Racionais MC´s)

O Negro Drama ainda vive, em uma das maiores populações carcerárias do mundo que em sua maioria é negra; nos trabalhos mais precarizados ocupados em sua maioria pelos negros, que começam a se levantar como mostraram os garis do RJ apontando o caminho para lutarmos contra a terceirização, a falta de moradia, de transporte, saúde e educação e a arma da policia que tem como alvo prioritário os negros.
Apesar do discurso da “democracia racial”, de que a miscigenação teria acabado com o racismo, ele ainda existe, e nem mesmo as estatísticas do governo conseguem esconder. É só olhar o número de jovens negros mortos, a quantidade de negros que é segregada para fora das universidades como a USP pelo filtro social do vestibular e a quantidade de negros que morrem nas filas dos hospitais.
O racismo que, no passado, foi utilizado para escravizar milhões de homens, mulheres e crianças africanos, vive hoje, ainda que muitas vezes se apresente de forma velada e serve como instrumento a serviço dos patrões, para dividir os trabalhadores e nos explorar ainda mais. Os trabalhadores precisam tomar em suas mãos a luta contra o racismo para poder golpear com um só punho os que nos exploram e oprimem todos os dias.

+

II Marcha (Inter) Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro – SP

Continue lendo

HOJE: Negro Drama + GT Permanência + Comitê Contra Repressão

Dia cheio de atividades!!!

A começar por:

Negro Drama: questão negra e classe trabalhadora no brasil

às 10h no SINTUSP

EVENTO:

https://www.facebook.com/events/694420480632234/?fref=ts

Daí a tarde:

GT Permanência Estudantil (CAF com apoio do CEGE)

às 16h no Espaço Verde

EVENTO:
https://www.facebook.com/events/786158178096305/

E por último:

Reunião do Comitê Contra Repressão

às 19h na Praça Roosevelt

EVENTO:
https://www.facebook.com/events/621140657999945/?fref=ts

Negro Drama: questão negra e classe trabalhadora no brasil

QUANDO?
25.07.14 sexta às 10h

ONDE?
SINTUSP

POR QUE?
Racistas não passarão!

EVENTO:
https://www.facebook.com/events/694420480632234/?fref=ts

[ descrição ]

“Eu sou irmão dos meus trutas de batalha, eu era a carne…agora sou a própria navalha” (Racionais MC´s)

O Negro Drama ainda vive, em uma das maiores populações carcerárias do mundo que em sua maioria é negra; nos trabalhos mais precarizados ocupados em sua maioria pelos negros, que começam a se levantar como mostraram os garis do RJ apontando o caminho para lutarmos contra a terceirização, a falta de moradia, de transporte, saúde e educação e a arma da policia que tem como alvo prioritário os negros.

Apesar do discurso da “democracia racial”, de que a miscigenação teria acabado com o racismo, ele ainda existe, e nem mesmo as estatísticas do governo conseguem esconder. É só olhar o número de jovens negros mortos, a quantidade de negros que é segregada para fora das universidades como a USP pelo filtro social do vestibular e a quantidade de negros que morrem nas filas dos hospitais.

O racismo que, no passado, foi utilizado para escravizar milhões de homens, mulheres e crianças africanos, vive hoje, ainda que muitas vezes se apresente de forma velada e serve como instrumento a serviço dos patrões, para dividir os trabalhadores e nos explorar ainda mais. Os trabalhadores precisam tomar em suas mãos a luta contra o racismo para poder golpear com um só punho os que nos exploram e oprimem todos os dias.