Arquivo da tag: fora pm

[FORA PM] Reintegração de posse no acampamento (Reitoria Piquetada)

[ retirado de: https://greveusp2014.wordpress.com/2014/08/24/fora-pm-reintegracao-de-posse-no-acampamento-reitoria-piquetada/ ]

Ocorreu na manhã de hoje (24/agosto) a a reintegração de posse do prédio da Reitoria onde estavam acampados funcionários e estudantes em greve.

Policiais Militares chegaram ao acampamento, situado em frente ao prédio da Reitoria como forma de garantir o piquete 24 horas, com ordens para desobstruir as portas. Por voltas das 07h30 a porta principal já estava aberta e todas as barracas que estavam no estacionamento, que foram consideradas pela polícia como “esbulho”, também foram retiradas. A polícia foi embora por volta das 08h e o acampamento segue em frente à reitoria apesar de não mais estar bloqueando o acesso.

Os piquetes são métodos históricos e legítimos utilizados pela classe trabalhadora como forma de pressão quando há intransigência e ausência de negociação entre os de acima (chefes, patrões, governos, reitores, etc) e o movimento grevista.

A polícia militar fez o que já se tornou rotina na USP. Interviu militarmente contra os métodos de greve. Se há algum tempo atrás (não tão distante assim) era inconcebível e inadmissível uma ação militar dentro de qualquer que seja o campus universitário, agora a Polícia Militar do Estado de São Paulo – aquela mesma que mais mata nas periferias – entra e sai da Universidade de São Paulo como se fosse a sua grande base móvel.

Só nesta greve já tivemos diversas ações militares contra a greve: PM impedindo piquete em diversos prédios, como no caso do prédio da Odontologia que o chefe de departamento acionou a polícia para impedir que trabalhadores em greve questionassem o ilegal corte de pontos em suas folhas de pagamento; reintegração de posse no acampamento/piquete do Centro de Práticas Esportivas, a reintegração de posse que foi realizada hoje às 06 horas da manhã no acampamento em frente à reitoria, e a ação para abrir os portões da USP no último trancaço que contou com enorme quantidade de armamentos utilizados contra estudantes e trabalhadores.

Balas de borracha, bombas de gás lacrimogêneo e efeito moral, assédio e perseguição parecem ser as únicas ferramentas que a Reitoria possui para administrar a maior universidade do país. O reitor Marco Antônio Zago está disposto a tudo para privatizar a USP e encerrar para sempre o projeto de universidade pública que nós defendemos. Mas nós estamos dispostos a tudo E MUITO MAIS para defender um universidade do povo e para o povo, onde trabalhadores recebam salários dignos, onde não haja terceirização, onde o direito à greve seja preservado e acatado, onde a população pobre e preta que sustenta esta universidade possa ingressar e permanecer em suas salas de aulas, de pesquisas, seus laboratórios e em todos os lugares que quiserem e não apenas nos setores de limpeza onde hoje são maioria.Seguimos em luta porque não admitiremos que os Hospitais Universitários sejam desvinculados de sua maior função: formar profissionais qualificados, cientes de sua função social e acima de tudo: continuar sendo um hospital público à serviço da população!

Todas as nossas tentativas de diálogo com a reitoria se mostraram fracassadas, a resposta sempre foi uma porta na cara e a polícia no nosso pé.

Convocamos todas as pessoas ao acampamento que SEGUE em frente à reitoria piquetada para garantirmos este espaço no que se refere ao dia de hoje. A partir de segunda tomaremos as pŕoximas decisões nos fóruns que lhes cabem: Comando de Greve e Assembleia Geral.

E como já dizíamos desde o começo desta greve: NÃO TEM ARREGO!

Panfleto do COMANDO sobre COTAS para a marcha de hoje

[retirado de: http://greveusp2014.wordpress.com/2014/08/22/estudantes-em-greve-exigem-imediata-implementacao-de-cotas-raciais-e-sociais-na-usp-e-realizam-panfletagem-em-ato/ ]

Estudantes em greve exigem imediata implementação de cotas raciais e sociais na USP e realizam panfletagem em ato

Hoje, durante a II Marcha (inter) Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro, estudantes da USP – que estão em greve há 87 dias – participarão levando a pauta da urgente necessidade de implementação de cotas raciais e sociais nas universidades públicas.

Compreendemos que este é um ato fundamental para darmos um basta nas políticas repressivas e racistas do Estado e participaremos enquanto estudantes organizados levando a reivindicação de implementação imediata de COTAS RACIAIS e SOCIAIS na USP em um passo contra a elitização e privatização das Universidades Públicas.

Acesse o panfleto em PDF, leia e ajude a divulgar: panfleto_cotas_pdf

[informe] Manifestação pacífica na USP é reprimida pela Tropa de Choque

[retirado de: http://greveusp2014.wordpress.com/2014/08/20/informe-manifestacao-pacifica-na-usp-e-reprimida-pela-tropa-de-choque/ ]

Manifestação pacífica na USP é reprimida pela Tropa de Choque

Funcionários e estudantes realizaram na manhã desta quarta-feira manifestação pacífica exigindo a reabertura das negociações e denunciando a privatização da Universidade de São Paulo

 

Na manhã desta quarta-feira (20/agosto) estudantes e trabalhadores da USP em greve realizaram um trancaço em todos os portões da universidade. Trancaço é a forma de piquete caracterizada pelo trancamento de portões, de modo a bloquear temporariamente a entrada de pessoas ao campus, o de hoje tinha como intuito alertar a comunidade acadêmica e a sociedade como um todo sobre os processos de privatização que a USP vem sofrendo.

Desde as 4 horas da manhã, os portões da universidade já estavam fechados como forma de protesto. A polícia militar entrou no campus pelo portão do Hospital Universitário e dirigiu-se, com 4 viaturas da força tática para o portão 2 – saída da Av. Politécnica. Manifestantes não ofereceram resistência e os policiais abriram os portões com alicates. Eram cerca de 50 manifestantes. As bases policiais permaneceram no portão até que estudantes e trabalhadores seguiram para o portão principal da USP para somar esforços com demais grevistas.

Quase ao mesmo tempo – cerca de 05h30 da manhã -, com 12 viaturas da força tática e 20 motos da ROCAM, a polícia reprimiu brutalmente as pessoas que estavam no protesto no portão 3. Esta é a saída onde fica localizada a faculdade de veterinária  e o Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional, onde docentes de T.O. também aderiram à greve. Funcionários e estudantes foram encurralados tanto pela desproporcional quantidade de policiais para cada manifestante presente, mas também devido ao uso de bombas de gás lacrimogêneo, efeito moral e balas de borracha. Esses armamentos eram considerados, antigamente, pela polícia como não letais, mas após o alto índice de graves ferimentos (alguns levando ao óbito) a polícia precisou mudar o nome destas munições para “baixa letalidade”.

Após a repressão no portão 3, manifestantes seguiram em ato até o portão principal da USP onde demais grevistas estavam reunidos. Já neste portão manifestantes denunciavam as violações praticadas pela polícia e relatavam que algumas pessoas estavam machucadas com ferimentos no olho e uma funcionária que teve uma bala de borracha alojada na perna.

Continue lendo

Chamado urgente: Todas à luta! Todas à greve! Todas ao piquete!

Ontem, os home que descem o cacete ordenados pelos home que descem o martelo invadiram a USP e despiqueteram todos os prédios, inclusive o nosso!!!

Convocamos todas e todos para reconstruir os piquetes, a greve e a luta!

Quem decide sobre nossos métodos de luta somos nós! Nem os coxa, nem os juizes dos de acima!!!

RECONSTRUÇÃO DA BARRICADA DA GEO/HIST:
HOJE a partir das 12h no Vão!

SE NÃO TIVER REAJUSTE, COTAS E PERMANÊNCIA…..
NÃO VAI TER USP!!!

NÃO TEM ARREGO!!!

HOJE: GT contra repressão + cervejada (CAF com apoio de CEGE)

hoje 01/08 às 16h no espaço Verde

GT contra repressão

evento: https://www.facebook.com/events/527695360693382/

[descrição]

No atual contexto de prisões políticas, com destaque para a do nosso companheiro de universidade, Fábio Hideki, é preciso mais uma vez reafirmar que lutar não é crime. Convidamos tod@s a discutir a repressão policial que sofrem atualmente os movimentos sociais, em um espaço de aprofundamento político, troca de informes e ideias.

O Centro Acadêmico de Filosofia vem realizando, durante o mês de julho, debates para aprofundar as pautas de nossa greve. Na sexta-feira, 1 de agosto será a vez de pautar a repressão, dentro e fora dos muros da universidade.

Após a roda de conversa haverá confraternização com cerveja e xadrez! Todo o lucro da cervejada será revertido para a organização do festival Liberdade Liberdade que ocorrerá no dia 31/08.

Convidados:

– Comitê contra a repressão do estado de São Paulo

– Brandão (Sintusp)

– Inauê Taiguara e João Victor Gonzaga – estudantes da filosofia presos em 2013, na ocupação de reitoria

– Andreza Delgado – MPL

– Murillo Magalhães – estudante preso na secretaria de transportes em 2014, no contexto da greve do metrô

– Metroviárix demitidx

– Giva (Comitê pela desmilitarização da polícia e da política)

Em defesa dos trabalhadores em greve!

Seu zago, o tio do diálogo, tá querendo dialogar com os trabalhadores auxiliados pelos porcos da PM.

Faz-se absolutamente necessário, ainda mais neste momento, demonstrarmos nossa total solidariedade de classes com as trabalhadoras! E mostrar nossa aliança na luta, no combate, no piquete!

concentração AMANHÃ SEGUNDA 28.7 às 6h da matina na frente da Biblioteca Brasiliana!

Evento

https://www.facebook.com/events/840750709283593/

[descrição]

CHAMADO AOS ESTUDANTES DA USP

Frente à ameaça de corte dos salários dos grevistas e à liminar que permite o uso da força policial para reintegração de posse dos prédios piquetados, chamamos os estudantes, o DCE e os centros acadêmicos a fortalecer nossa resistência ao autoritarismo do Reitor Zago.

Há dois meses em greve, atravessamos a Copa e as férias de julho fortalecidos.

Em agosto tem reitor que vai chorar!

Há uma semana da volta as aulas o Reitor e o governo tentam acabar com a nossa greve, pois temem a aliança entre trabalhadores e estudantes em defesa das nossas reivindicações.

A situação é urgente e contamos com o apoio de todos, juntos somos mais fortes!

TODOS À ANTIGA REITORIA, EM FRENTE À BIBLIOTECA BRASILIANA, SEGUNDA-FEIRA 6H DA MANHÃ!

NÃO TEM ARREGO!

Fora PM da ZN!!!

FORA PM da USP é nosso eixo!
FORA PM do mundo, nossa meta!

“Aposta na repressão, na polícia hostil,
Um gambé me torturando num terreno baldio.
Enquanto era pobre disfigurado no caixão preto
Vale o ditado: no cú dos outros é refresco.
Só que o vulcão explodiu, entrou em erupção
E a lava que escorreu foi derreter sua mansão.”

Facção Central