AtA AssembleiA GeraL EstudantiL 21.08.14

[retirado de: http://greveusp2014.wordpress.com/2014/08/22/ata-assembleia-geral-de-estudantes-da-usp-21agosto2014/ ]

[ATA] ASSEMBLEIA GERAL DE ESTUDANTES DA USP – 21/agosto/2014

Assembleia geral 21.08.2014

Informes:

Reunião de Conciliação: Houve uma brutal repressão no Trancaço. Na reunião de conciliação a tarde, a reitoria queria criminalizar a greve, mas tanto a justiça quanto o governo recuaram quanto a questão do corte de ponto. O corte foi considerado ilegal já que a greve não havia sido julgado, além disso ficou pontuado que houvesse uma negociação semana que vem. Ao longo da conversa a desembargadora disse que tudo bem reprimir caso houvesse trancaços.
Sintusp sobre a reunião de conciliação: A desembargadora pontuou que não estava todos os setores em greve presentes na negociação – não foram convocados a ADUSP e as outras estaduais. Para o SINTUSP, era uma tentativa de reprimir a greve já que nenhuma das greves anteriores foram para a justiça. O salário de 1.200 funcionários foram cortados, além do desmonte dos piquetes. As unidades têm marcado novos cortes de salário para o próximo mês, algo que a desembargadora pontuou como um absurdo. A justiça colocou como culpa da greve caso alguém morresse por não ser atendido no HU. Isso é uma mentira já que o sindicato defende que o hospital seja usado por todos e não por funcionários somente. Um dos motivos para desqualificar a greve era dizer que não havia o mínimo de funcionários trabalhando (30%) ou dizer que só 10% estavam em greve – algo contraditório, dito pela própria juíza. A legislação coloca que os trabalhadores não podem pagar com seu salário o aumento da inflação. A questão do dinheiro só podia ser usada caso as contas da universidade fossem abertas. Foi agendada para o dia 27, TRT uma nova reunião. Não seria possível demonstrar todas as contradições da reitoria e do governo caso nossa greve não tivesse a quase 90 dias nessa luta. Parabeniza todos que participaram ontem do trancaço mesmo com a truculência policial. Entende que há muitos motivos para que os alunos não precisam estar aqui de madrugada nos piquetes e isso aumenta o ânimo dos funcionários para não desistir. A justiça que apoiou a greve nessa reunião é a mesma que demitiu os metroviários e o Brandão, por isso não podemos confiar. O que está em jogo não é somente o corte de ponto ou o 0%, lutamos contra o projeto que destrói a universidade pública. Estamos escrevendo uma carta que sobre como precisamos barrar esse desmonte da Universidade, demarcando que essa ainda não é a universidade a serviço do povo que queremos.

Informes de Curso:
EACH: Dia 18 voltam as aulas. Há tapumes cobrindo o ginásio e os funcionários da seção de apoio estão em greve. Alguns docentes ainda vão decidir se vão entrar em greve. Haverá uma mesa sobre segurança pública, violência e repressão aos movimentos sociais das 9h ao 12h e as 14 h tem uma sobre democratização dos meios de comunicação e acesso à informação. Agora tem uns dutos móveis para tirar o metano, as substâncias. Derrubaram o Centro acadêmico por lá ser o lugar mais tóxico segundo à diretoria.
Filosofia e educação: Deliberou cadeiraço no curso e se incorporou a atividade dos estagiários da FEUSP dia 27, as 18h na educação sobre a precarização e a situação dos estagiários. Quinta-feira ás 8h e saída às 9h30min vai ter concentração para um ato chamado engatinhaço com as crianças até aqui na reitoria. Na filosofia tem havido uma tensão grande com os professores e os que apoiam estão sendo constrangidos.
CALC: Na assembleia da ECA em conjunto com os funcionários pediram que a congregação deles será aberta. Para que não permitam a aprovação de qualquer documento contra o movimento que possa ser levado ao CO.
Servidores do Instituto Butantan: Nota de apoio a greve dos trabalhadores e uma de repúdio à truculência policial.
História: Assembleia com umas 40/50 pessoas. Pretendem divulgar o documento que vazou da reitoria e uma carta para os alunos sobre a importância de estar presente na greve, também elegeram um delegado para o Encontro de estudantes das estaduais (com aprovação de R$ 200,00). E por último, tiraram o indicativo de fazer uma campanha de lambes e de fazer grupo de três ou quatro pessoas para panfletar no metrô.
Sociais: 100 pessoas na assembleia, mantiveram o piquete e tiraram algumas atividades: uma sobre o HU, outra sobre o documento da reitoria e também estão tentando trazer os estudantes fazendo atividades com professores do departamento. Alguns alunos da pós tem construído gráficos sobre os gastos da USP desde 1995.
Direito: Teve congregação e o próprio Zago participou. Na frente da congregação foi feito um ato para fazer pressão. Não serão mais os diretores responsáveis pelos cortes e sim a própria justiça do trabalho. Um professor filmou metade da congregação e o diretor proibiu ele de continuar, mas, mesmo assim, esse professor deve divulgar o que gravou.
FAU: A congregação será aberta para que os estudantes possam assitir. Os estudantes se posicionaram contra a nota dos professores contra violência dos grevistas e da polícia e contra os planos da reitoria. Amanhã vai ter um churrasco chamado Open Violência e todos estão convidados. Há um espaço da FAU que está fechado e os estudantes devem reocupar.
FOFITO: Entraram em greve e já tem um calendário. Serão feitos três dias de paralisação com a fono e a fisioterapia (algo que ainda está sendo conversado). Assinaram a carta contra a desvinculação do HU e foram no último ato.
Geografia: Doaram R$ 1000,00 para o fundo de greve e R$ 300,00 para o encontro das três estaduais. Também escreveram uma carta chamando os Cas para uma festa contra a moral e os bons costumes e, or último, elegeram um novo delegado para o comando. Os professores propuseram fechar o vão e os estudantes se posicionaram contra.
IAG: Aconteceram dois dias de piquete no prédio. Funcionários da reitoria estão trabalhando na biblioteca deles e o chefe de departamento chamou os grevistas de fascistas. Os alunos propuseram uma moção de repúdio contra a pm, mas não passou e o diretor deixou claro que caso os funcionários entrassem em greve haveria corte de ponto.
IME: Entraram em greve só em votação e parabenizam as passagens de sala para fortalecer a greve. Vai acontecer uma semana para comemorar os 40 anos do curso de computação
AMORCRUSP: estão disponibilizando o advogado deles para o pessoal da moradia retomada e pedem que quem tiver contato de advogado passe para ajudar. Deram R$ 200,00 para os estudantes da UNIFESP de guarulhos por terem lutado lá (ao todo a multa é de R$ 19.000,00). No CRUSP tem sido debatido a questão da permanência passar para o Estado e como isso impacta os estudantes pobres. Tiraram três delegados para o comando.
Letras: Segunda-feira: aula pública, terça-feira: plenária da FFLCH, quarta-feira: roda de conversa dos três setores sobre o documento. Também vão escrever um boletim para divulgar as atividades.
Pedagogia: Seminário de educação básica, depoimento das crianças sobre a greve e as perspectivas das mesmas. Depois disso eles vão contrapor a das crianças com a feita pelo Zago. Na quinta e sexta vai ter várias mesas sobre a educação básica. Na assembleia conseguiram tirar cadeiraço, R$ 16.000,00 para o fundo de greve e R$ 500,00 para o encontro das estaduais.
Psicologia: Terça teve uma reunião geral dos três setores sobre o corte de ponto e nela participaram umas 100 pessoas. Todos se mostraram contra aos cortes. Hoje teve uma plenária dos três setores e que todos os Rds da congregação se mostrem contra as propostas do reitor.
Artes Cênicas: pós-graduação parou e a greve da graduação está meio esvaziada.
Jornalismo e Editoração: Piquete em todas as salas. Comissão de produção e de piquete para organizar o curso.
Veterinária: Ato contra o corte de pontos lá com o centro acadêmico. Dois estudantes foram expulsos de Pirassununga e estão lutando contra isso e cobrança do uso de salas.
Comando de greve/mobilização da FFLCH: Foi tirado na segunda feira, dia 26, uma assembleia unificada da FFLCH e um ato de rua para a assembleia geral discutir.
Farmácia: + 1.500 alunos estudam no HU, diferentemente do hospital das clínicas que é um espaço só dos médicos e por isso se incorporam no ato contra a desvinculação do hospital.

Informes Gerais:
Jéssica: pede doação para o fundo de greve. Contribuir para alimentação e faixas.
Frente Feminista da USP: II EME-USP vai acontecer em outubro. Chama todas as mulheres para a reunião na segunda, às 18h no espaço verde e para que as mulheres preencham o questionário na página da frente.
Trancaço: O trancaço começou lá pelas 4h30min e logo em seguida a polícia chegou. Foram até o Butantan depois da repressão policial e que o Zago não é o reitor do diálogo. A maioria das pessoas não dispersou com a polícia atirando bombas e isso é algo de muito orgulho, ver os trabalhadores e alunos juntos.
Festa: Barraquinha de destilado sera aberta no show que vai acontecer a partir das 19h na ECA. O dinheiro arrecado irá para o fundo de greve.
Ato MTST: Aula pública e depois houve uma marcha pela paulista/consolação. O ato fazia parte do calendário do SINTUSP e por isso havia uma faixa dos trabalhadores da USP.
Ato arrastão e trancaço contra a repressão: Arrastão passando por diversos cursos (eca, fea, poli, IME e IGC) e depois fizeram um trancaço. Panfletaram em três horários para chamar os estudantes em greve.
Encontro das Estaduais Paulistas: 30 e 31 de agosto acontecerá este encontro. O primeiro foi em Marília e cada entidade do movimento deve tirar um delegado para representar o curso na plenária. Dessa forma possamos fortalecer a luta entre as estaduais contra a repressão. Também é importante que os cursos doem dinheiro para que viabilizemos a vinda dos estudantes da UNESP e UNICAMP.
Assembleia da ADUSP: Os professores aceitaram fazer uma plenária não deliberativa e foram contra uma assembleia das três categorias.
CO: O Zago desmarcou o último, mas na terça (dia 26) foi marcado um novo para discutir o documento que vazou na mídia das propostas da reitoria para a Universidade. Propõem para a assembleia um ato em frente ao CO e vários Rds estão se articulando para votar contra as propostas da reitoria.
CANIL: o QIB é pra juntar grana para o fundo de greve e estão vendendo cerveja hoje pra isso também.
Marcha internacional contra o Genocídio do povo negro: Convite a todos para participar amanhã às 17H30 no MASP.
SINTUSP: atividade de nome negro drama II (também passaram o documentário sobre os panteras negras e sobre o menino que morreu nos EUA), nela vai ser discutido cotas raciais e sociais. Essa demanda apareceu após a leitura da carta dos estudantes sobre a necessidade dessa pauta na luta dos trabalhadores. Foi aprovada na assembleia, mas acharam melhor chamar um espaço para discutir melhor. Aqui na reitoria teve uma atividade e nela foi retirada uma confluência de estudantes e trabalhadores negros. Ato na segunda-feira até a faculdade de medicina; concentração às 8h e sai às 9h30min contra a desvinculação do Hospital. O percurso do ato será até o hospital das clínicas.
Comissão de Cultura do CAHIS: Semana de Memória, Cultura e Resistência: Cotas e as Lutas do Povo Negro com a seguinte programação:
1) “O Percurso Histórico do Racismo no Brasil e sua
Contemporaneidade” – 25/08, às 19h, na História.

2) “Negras Articulações: o Combate ao Racismo em suas Diversas
Facetas” – 26/08, às 19h, na História.

3) “Políticas Afirmativas na Universidade Pública”
27/08, às 19h, no Núcleo de Consciência Negra (NCN).

4) “Mulheres Negras em suas Múltiplas Agências”
28/08, às 19h, na História

5) “Culturas Afro-Brasileiras e suas Dinâmicas de Resistência”
29/08, às 16h, na História
*** NA SEXTA, A PARTIR DAS 18H: SARAU POR COTAS NA USP! (Espaço Aquário)

Para se inscrever, envie um e-mail com nome completo e RG para pethistoriausp@gmail.com
Haverá emissão de certificado.

Modelo de falas:

15 falas livres de dois minutos X Fala por corrente e independentes (contraste)

As 11 falas terão 3 minutos cada.

Proposta da mesa de ordem dos encaminhamentos:
Calendário  –  Notas  –  Demais

CALENDÁRIO:
Sexta-feira (21/08):
Incorporação à atividade de “negro drama 2″ (10h no SINTUSP);

17h horas na Paulista: incorporação na Marcha internacional contra o Genocídio do povo negro – https://www.facebook.com/events/267406483462438/

Sábado (22/08):
10h – Comando de Greve no acampamento: https://www.facebook.com/events/1446878605585354/

Segunda-feira (25/08):
8h café da manhã 10h começa – Ato unificado com os trabalhadores do HU
Indicativo para atividades unificadas entre as três categorias nos cursos.
18h – Ato público na SanFran contra a criminalização dos movimentos sociais.

Terça-feira (26/08)
10h – Incorporação ao escracho organizado pelos estudantes da EACH na câmara municipal.
Participaremos da atividade que os trabalhadores aprovarem para fazer no CO.  Esse indicativo será discutido no comando deste sábado.
10H30 – Arrastão que sairá do acampamento até o CO.
Indicativo de assembleias de curso

Quarta-feira (27/08)
13h – incorporação em atividade que os trabalhadores escolherem para este dia.
Indicativo: compareçamos à audiência pública com a reitoria na ALESP.

18H – Reunião dos estagiários na Educação.

Indicativo de assembleias de curso

Quinta-feira (28/08)
Indicativo pro SINTUSP de trancaço desde manhã de trabalhadores e estudantes, para pressionar a reitoria e o governo do Estado e arrancar vitórias para o movimento.
8h – Incorporação à atividade do engatinhaço da creche central até a reitoria (na reitoria as 11h).
18H – Assembleia geral de estudantes no acampamento (caso chova ocorrerá na FAU).
19H – Seminário de Educação Básica na Educação

Sexta-feira (29/08)
18h – Comando de greve no acampamento.
9H até às 17h – Seminário de Educação Básica na Educação.

Sábado e Domingo (30 e 31 de agosto)
Encontro dos Estudantes das três Estaduais. Indicativo para o Comando de Greve ajudar na viabilização do evento.

Terça-feira (02/09)
17h – Ato (indicativo para que seja de rua) nacional em solidariedade à greve da USP chamado pela CSP-CONLUTAS no MASP
Indicativo de um Ato unificado: fazer chamado de composição com outras categorias de trabalhadores.

NOTAS
Nota a ser escrita pelo comando de greve, declarando o apoio total do movimento estudantil ao trancaço realizado com os trabalhadores e o repúdio à repressão policial – utilizado a mando da reitoria – e aos estudantes, em específico, que tentaram impedir o trancaço e agredir trabalhadores e estudantes.

DEMAIS:
Indicativos da assembleia da História:
Formar grupos de três ou quatro estudantes para panfletar em diversas estações de metrô, nos cursinhos e na São Remo em dias pré programados pelo calendário de greve; No comando de greve será discutido à proposta que este panfleto seja unificado.

Campanha de lambes pela USP e entornos denunciando a repressão, a questão dos hospitais e em defesa da greve. O Comando de greve discutirá essa proposta.

Incluir como eixo do movimento:
Pelo direito de greve! Fora PM da USP! Adicionar no eixo de repressão.

    Manter a proposta de plenária não deliberativa sendo contrária trazer essa pauta novamente (Contraste) X Rediscutir com funcionários e professores a necessidade imediata de uma assembleia geral universitária

Que o DCE peça para a ADUSP e os centros acadêmicos para viabilizar a vinda dos estudantes do interior para o comando de greve, encontro das estaduais e assembleias.

Boletim unificado da USP (caso não seja possível, seja feito pelo comando de greve dos estudantes) para panfletagem no metrô e no entorno da USP antes do ato do HU para pautar com a sociedade a saúde.

Contra a proposta de criação de uma comissão para organizar atos de rua com bandeiras específicas (contraste) X a favor dessa comissão

Passagem em salas chamando estudantes a se mobilizarem. Data a definir. Proposta inicial terça de manhã. Fazer boletim para isso (comissão de comunicação). Proposta fica para o comando decidir como será feito.