Arquivo diários:25 de outubro de 2013

Samba de uma nota só… (por Rodrigo Ricupero, DH/FFLCH/USP)

Samba de uma nota só…

O manifesto assinado por mais de mais de 150 professores da FFLCH tem um ponto positivo, para além do debate público de ideias (e, diga-se de passagem, do fato de estar formalmente muito bem escrito), que é o reconhecimento da legitimidade do movimento dos estudantes.
Isto posto, o manifesto gira em torno de uma única questão: a condenação prática do movimento, descrito …nas cores mais sombrias, como, por exemplo, nas seguintes passagens: “métodos coercitivos e autoritários” ou “traços de intolerância e isolamento”, resumindo o movimento como sendo “a vontade da minoria militante” que, pela violência, silenciaria e submeteria a maioria.
Evidentemente, nem todo mundo deve ou precisa concordar com as formas ou métodos de luta encontrados, as famosas barricadas, por exemplo, são tema polêmico mesmo entre os militantes do movimento estudantil.
Contudo, não deveríamos esperar mais de um manifesto assinado por mais de 150 cientistas sociais? Do ponto de vista analítico o manifesto é pobre. Tentar explicar os motivos pelos quais nos últimos anos tenhamos vivido na universidade uma conjuntura de lutas com greves, piquetes e ocupações talvez contribuísse para o diálogo. Infelizmente, o manifesto não aponta nada mais nesse sentido do que a ação das famosas “minorias radicais violentas”, explicação típica de todo governo de plantão ao se deparar com ações que questionam sua administração.
Nem todos precisam concordar, mas o fato de estarmos assistindo nos últimos anos a um incrível movimento de massas (em especial de jovens) em várias partes do mundo, lutando por democracia real, até mesmo derrubando ditaduras, e pelo atendimento das reivindicações da maioria da população (o famoso 1% x 99% dos EUA), não me parece mera coincidência e acho que ajuda a explicar a ação dos nossos estudantes.
Mesmo o problema da democratização da universidade, centro da greve, merece apenas uma pequena reflexão no manifesto, numa passagem que, no melhor “tucanês”, afirma: “Não desconhecemos que as atuais estruturas de poder da USP sejam pouco permeáveis às aspirações coletivas”.
Enfim, fica a sensação de que a ampla unidade que o manifesto conseguiu, indo de petistas históricos até aqueles que na congregação da FFLCH definem a professora Chauí como “ideóloga dos mensaleiros”, só teria sido forjada graças à condenação dos métodos do movimento, fugindo de um debate mais rico sobre os motivos que colocam nossos estudantes em seguidas mobilizações ou mesmo sobre nossa estrutura de poder.

Rodrigo Ricupero, DH/FFLCH/USP

Moção de repúdio ao professor Ricardo Felício

Moção de repúdio ao professor Ricardo Felício

 Nós, estudantes de geografia e história da USP reunidas em assembleia unificada e organizados no CEGE e no CAHIS respectivamente, gostaríamos de expressar nosso absoluto repúdio ao Ricardo Felício, atualmente professor do Departamento de Geografia. A nosso ver, esta pessoa não possuí condições para manter seu atual cargo na Universidade, isto por insistentemente cometer violentos atos de desrespeito contra o corpo discente. Nas últimas semanas, além de tentar de todas as maneiras possíveis boicotar e sabotar a greve estudantil – um direito democrático garantido pela constituição, e uma decisão tomada na democracia direta da assembleia – Ricardo Felício protagonizou uma agressão machista contra uma estudante do curso de história tão somente para furar um piquete que pacificamente auxiliava a garantir nossa paralisação.

Assim sendo, além de reforçar o nosso coletivo repúdio, exigimos também o imediato afastamento de Ricardo Felício do corpo docente da Universidade de São Paulo e a retirada do processo movido por este contra um estudante de geografia.

Fora milico da USP!
Machistas não passarão!

Assembleia unificada Geografia e História
CAHIS-USP & CEGE-USP
Comando de Greve unificado Geografia e História
Assembleia geral de estudantes da usp (aprovada 25out13)

exames

Moção de Apoio à paralisação e ocupação da USP São Carlos

+ informações sobre a luta em Sâo Carlos -> http://mobilizacaaso.wordpress.com/

No dia 17/10/2013, os estudantes da USP São Carlos realizaram a ocupação do prédio da Prefeitura do Campus. A assembleia, realizada pós-ocupação, presidida pelo Centro Acadêmico Armando de Salles Oliveira (CAASO) definiu sua manutenção até que seja aberta negociação com a direção do campus.

A assembleia tirou como eixos políticos:
– Apoio à greve dos estudantes da USP em São Paulo e à ocupação da reitoria;
– Negociação imediata da reitoria com a ocupação em São Paulo;
– Eleições diretas e paritárias para reitor, diretores de unidade e chefes de departamento;
– Estatuinte livre e soberana;
– Fim da lista tríplice.

         Dentre as questões locais, os estudantes reivindicam:
– Posicionamento imediato da USP contrário à liminar de proibição de eventos no campus;
– Não à terceirização do ônibus área I – área II;
– Pela manutenção e melhoria da UBAS (Unidade Básica de Atendimento à Saúde) no campus;
– Pela manutenção do EESCobar (lanchonete gerida pelo CAASO) no campus;
– Reforma do prédio do CAASO para garantia de segurança do local;
– Formação de comissão paritária para projeto de construção do CAASO no campus II;
– Reunião paritária entre estudantes e dirigentes para negociação das pautas;
– Nenhuma represália ou punição aos estudantes que participarem do movimento;
– Nenhuma represália ou punição aos funcionários da prefeitura do campus que estão impossibilitados de trabalhar devido à ocupação.

Os seguintes signatários apoiam a ocupação e a paralisação dos estudantes da USP São Carlos e seus eixos de reivindicação:
CEGE-USP
CAASO – Centro Acadêmico Armando de Salles Oliveira
CCQ – Centro de Convivência da Química
SAAero – Secretaria Acadêmica da Engenharia Aeronáutica
SAAU – Secretaria Acadêmica Arquitetura e Urbanismo
Sacim – Secretaria Acadêmica da Computação, Informática, Matemática e Estatística
SACivil – Secretaria Acadêmica da Engenharia Civil
SAdEM – Secretaria Acadêmica da Engenharia Mecatrônica
SAMECA – Secretaria Acadêmica da Engenharia Mecânica
SAEComp – Secretaria Acadêmica da Engenharia de Computação
SAPA – Secretaria Acadêmica Pró-Ambiental
Pró-Produção – Secretaria Acadêmica da Engenharia de Produção Mecânica
DCE Livre da USP – Alexandre Vannucchi Leme
CABIO – Centro Acadêmico da Biologia (USP)
CAF – Centro Acadêmico da Filosofia (USP)
CALC – Centro Acadêmico Lupe Cotrim (Escola de Comunicações e Artes – USP)
CEQHR – Centro de Estudos Químicos Heinrich Rheinboldt (USP)
CAER – Centro Acadêmico Emílio Ribas (Faculdade de Saúde Pública – USP)
CARB – Centro Acadêmico Ruy Braga (Educação Física e Esporte – USP)
Guima – Centro Acadêmico Guimarães Rosa (Relações Internacionais – USP)
CAAJA – Centro Acadêmico Antonio Junqueira de Azevedo (Direito – USP RP)
CAEst – Centro Acadêmico da Estatística  (UFSCar)
C.A.J.A.R. – Centro Acadêmico José Albertino Rodrigues (Ciências Sociais – UFSCar)
DCE Livre da UFSCar